Moneró (bairro)

(antigo Jardim Ipitangas)


Até o início da década de 1950, a área era apenas uma região de pasto, junto à Praia do Dendê, onde funcionava um pequeno estábulo para criação de gado e uma fábrica de pisos hidráulicos.
Originalmente, suas terras pertenciam ao fazendeiro italiano Francisco (Francesco) Moneró - que faleceu em julho de 1965 - e o bairro como temos hoje surgiu com o loteamento Jardim Ipitangas (nome tupi para "rio vermelho"), em 1955, ocupando área de 100 mil m².
No ano seguinte, a Construtora Governador S.A. urbanizou as terras adjacentes aos terrenos do Jardim Carioca que haviam pertencido a Joaquim Pereira de Magalhães Vides, que em 1891 era arrolado como um dos lavradores atuantes na Ilha do Governador.
Em 1957, foi aprovado pela Prefeitura o projeto que previa a urbanização de uma área com 313.308 m² entre a Praia do Dendê e a Estrada de Tubiacanga (atual Governador Chagas Freitas), compreendendo um total de 535 lotes de terreno e a abertura de 15 ruas e duas praças (uma, a Papai Noel; e a outra, onde acabou saindo posteriormente o Corredor Esportivo).
Foram colocadas algumas placas junto ao novo loteamento, onde além do nome da construtora Governador e do empreendimento, constava o nome dos diretores da empresa, Eloy e Hélio Moneró. Por este motivo a população local começou a chamar o loteamento de "Moneró", que acabou por ficar sobreposto ao Jardim Ipitangas.
A denominação, delimitação e codificação do bairro foi estabelecida pelo Decreto nº 3.158, de 23 de julho de 1981, com alterações do Decreto nº 5.280, de 23 de agosto de 1985.

Agradecimentos ao Prof. Jaime Moraes por algumas informações
Fonte: Dicionário-Vocabulário Guarani - Tupi - Tupi Antigo - Português (www.girafamania.com.br), Jornal do Brasil (14.07.1965) e Portal Rio Geo (http://portalgeo.rio.rj.gov.br)
Mapa: Portal Rio Geo (http://portalgeo.rio.rj.gov.br)
Imagem: Jornal do Brasil (14.07.1965)

PRINCIPAL