Praça Professor Ivo Augusto Furlanetto (Jardim Guanabara) - sem CEP pelos Correios

(antiga Praça Aldo Garcia Roza)


Ivo Augusto Furlanetto nasceu na Praça da Bandeira em 1929 e descobriu a Ilha na adolescência. Descendente de família italiana, o professor Ivo fundou o Colégio Olavo Bilac, na Ilha do Governador em 1958 e se dedicou durante 45 anos ao ensino. Membro de uma das mais tradicionais e sólidas famílias do bairro, ele morou na Rua Marquês de Muritiba, onde criou seus seis filhos.
Participou ativamente de vários movimentos sociais e educacionais como a Associação das Escolas Particulares da Ilha (Aepig) - do qual foi o primeiro presidente -, Associação de Amigos da Ilha (Amig), União da Ilha, Jequiá Iate Clube, Associação Atlética Portuguesa e Iate Clube Jardim Guanabara, onde era Sócio Benemérito e exerceu os cargos de diretor social, diretor de Esportes Terrestres e de vice-comodoro.
Foi também presidente do Rotary RJ Ilha do Governador no biênio 1972/73, do qual foi um dos sócios fundadores (do então Rotary Club da Ilha do Governador), tendo feito parte do primeiro Conselho Diretor do clube, na função de 2° secretário.
Faleceu em 2009, no mesmo ano em que o logradouro foi renomeado (em 25 de novembro), Projeto de Lei da vereadora Tânia Bastos (PRB).
Anteriormente, chamava-se Praça Aldo Garcia Roza, em homenagem ao artista plástico nascido em Cachoeiro de Itapemirim (ES) em 1907 e falecido no Rio de Janeiro, em 1997. Até os anos 50, Garcia Roza dividiu a atividade pictórica com várias outras profissões, entre elas a de arquiteto. Começa a ser reconhecido como pintor, depois que recebe uma menção honrosa no Salão Nacional do Rio de Janeiro. Quase ficou fora do salão, teve seus quadros recusados por trabalhar sobre placas de Eucatex.
Em 1954, participou do IV Salão de Belas Artes da Bahia, em Salvador. As participações e as mostras individuais foram se intensificando até os anos 70.
Expôs várias vezes em Vitória, na Galeria Homero Massena, Espaço de Artes da Escelsa, Galeria Santa Luzia. Em 1975, realizou individual no Rio de Janeiro e retrospectiva de sua obra, em Vitória, em 1977.
Em 1976, participou do espetáculo "Espaço-Dança", com pinturas, e para Garcia Roza "foi a primeira apresentação que se fez, no mundo inteiro, de uma exposição de pintura simultaneamente com um 'show' de dança, com a coreografia adequada".
Em 1985, participou da restauração do painel pintado por Burle Marx, em 1954, no térreo do edifício das Repartições Públicas, em Vitória, a convite do autor. E em 1992 voltou a expor em Vitória, na galeria do Alphaville Trade Center.

Agradecimentos a Luiz Carlos Dias, secretário do Rotary-RJ Ilha do Governador, pela cessão da foto (de 1972)
Fonte: Rotary Ilha (www.rotaryilha.org.br), Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Fazenda do Espírito Santo (www.sefaz.es.gov.br), citando "O jeito próprio de um mestre", de Cristina Abelha, publicado em 28 de agosto de 1992 no "Caderno Dois", de "A Gazeta", de Vitória; "Dicionário Brasileiro de Artistas Plásticos", MEC, 1980, com coordenação de Walmir Ayala; e "A Tribuna", de Vitória, de 28 de abril 1997



PRINCIPAL