Estrada do Dendê (Tauá, Moneró e Portuguesa [Village], pela Prefeitura; só Moneró, pelos Correios) - CEPs: 21920-000 e 21920-001


Do quimbundo ndénde, "palmeira", dendê é o fruto do dendezeiro (Elaeais guineensis), palmeira originária da costa oriental da África (Golfo da Guiné), sendo encontrada em povoamentos subespontâneos desde o Senegal até Angola.
O óleo originário desta palmeira, o azeite de dendê, consumido há mais de 5 mil anos, foi introduzido no continente americano a partir do século XV, coincidindo com o início do tráfico de escravos entre a África e o Brasil.
No contexto atual o azeite de dendê é o óleo mais produzido e consumido no mundo, representado 27% de 140 milhões de toneladas de óleos e gorduras produzidas em 2005 e 27% do consumo mundial de 138,4 milhões de toneladas de óleos e gorduras em 2005.
Segundo um historiador português, o óleo de dendê tem o cheiro das violetas, o sabor do azeite de oliva e tinge os alimentos com a cor do açafrão, sendo entretanto mais atrativo.
O sudeste da Bahia possui uma diversidade excepcional para o cultivo do dendezeiro, com uma disponibilidade de área da ordem de 752.625 hectares que, aliada a existência no país de uma demanda insatisfeita da ordem de 500 mil toneladas de óleo de dendê; de importações que se situam entre 100 a 150 mil toneladas, além do aspecto ambiental ecológico possibilitando a recomposição de espaço florestal em processo adiantado de degradação por "florestas de cultivo".
Os fatores climáticos de maior importância para o cultivo do dendezeiro são chuva, horas de brilho solar e temperatura máxima e mínima. Uma adequada disponibilidade de água no solo de forma constante é condição extremamente importante para o desenvolvimento e produção. Altos níveis de radiação solar são indispensáveis para o crescimento e produção. Embora seja cultivado em diferentes tipos de solos, variação nas propriedades físicas e químicas causam diferenças significativas na produção. Os parâmetros mais importantes são profundidade efetiva maior de 90 cm, textura franca ou mais argilosa, estrutura forte ou moderada, permeabilidade moderada, relevo plano ou suave ondulado, não pedregoso, sem concreções de ferro, alumínio ou manganês e sem camada adensada, consistência muito friável, friável ou firme e regime de unidade úmido.

Fonte: www.ceplac.gov.br (texto do engenheiro agrônomo Jonas de Souza) e informações etimólogicas do Novo Dicionário Aurélio
Foto: www.brasil.gov.br



PRINCIPAL